sábado, 8 de setembro de 2012

PROJETO TRILHAS

NO DIA 06 DE SETEMBRO A VICE-DIRETORA ELIANA NEVES, REUNIU-SE COM OS PROFESSORES PELA PARTE DA MANHÃ  E REPASSOU  O PROJETO TRILHA QUE A ESCOLA IRÁ FAZER PARTE  NESTE ANO.






















CONHECENDO O PROJETO TRILHAS

O Projeto Trilhas é o maior e principal do Instituto Natura. Lançado em 2009, seu objetivo principal é desenvolver em crianças de seis anos as competências e habilidades de leitura e escrita. Em seus dois primeiros anos de atuação, 310 escolas públicas municipais receberam materiais desenvolvidos para apoiar os professores em atividades de leitura, escrita e oralidade.

Em 2011, o Trilhas ganhou importância ao ser reconhecido pelo Ministério da Educação (MEC) como uma metodologia educacional eficaz que será implementada em 2012 como política pública. A partir de então nos tornamos parceiros para ampliar o projeto para dois mil municípios – cerca de metade do total do País, atingindo aproximadamente 72 mil escolas, 140 mil professores e mais de três milhões de crianças brasileiras.

Para que isso seja possível, estruturamos duas frentes de trabalho:

1. A primeira, de impressão e distribuição dos materiais do projeto, está sob a responsabilidade do MEC, que iniciou esse processo no final de 2011. O papel do Instituto Natura foi de adaptação do conteúdo para crianças em fase de alfabetização (6 a 7 anos), para a política do PNBE (Política Nacional da Biblioteca Escolar) e para os padrões do Ministério da Educação;

2. O Instituto Natura é responsável pela segunda frente de atuação, que envolve a boa utilização do material por meio da Rede de Ancoragem de profissionais de educação. Essa Rede deve auxiliar na implementação do projeto Trilhas, incentivar o uso dos materiais em sala de aula e apoiar a formação dos professores nas escolas públicas. Seu principal papel será promover e dar suporte para disseminar os pilares conceituais e pedagógicos do projeto.

A Rede de Ancoragem é formada pelos representantes do CONSED (Conselho Nacional de Secretários de Educação) e da UNDIME (União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação) e por professores universitários que adotam o papel de formadores estaduais. Além desses, participam, diretamente, quatro mil técnicos municipais e estaduais de educação nos encontros estaduais e, indiretamente por meio de formação continuada nos municípios e nas escolas, 100 mil diretores escolares e/ou coordenadores pedagógicos e 140 mil professores.

Para o bom funcionamento da Rede de Ancoragem, estruturamos encontros que se dividem em: nacionais – que reúnem professores universitários e os representantes do CONSED e da UNDIME; estaduais – organizados pelos professores universitários com os representantes das Secretarias de Educação (técnicos municipais e estaduais de educação); municipais – realizados pelos representantes das Secretarias com os diretores e coordenadores das escolas; e escolares, feitos pelos diretores e coordenadores para os professores e que terão a periodicidade que a escola achar necessária.

Como desdobramento do projeto, em 2012 o Instituto estuda junto ao MEC a possibilidade de o projeto ser ampliado para todas as escolas públicas de ensino fundamental do Brasil.

Partindo da premissa de que cabe à educação básica a tarefa de construir bases sólidas para que os alunos participem criticamente da cultura escrita, iniciamos em 2011 o desenvolvimento do projeto Trilhas II. Ele surge como uma continuidade do Trilhas, para os anos subsequentes do ensino fundamental até chegar na Olimpíada de português, uma iniciativa da Fundação Itaú Social.

Seu objetivo é promover o acesso à cultura escrita a partir de propostas que contribuam para o desenvolvimento e aprimoramento da leitura e da escrita ao mesmo tempo em que fornece instrumentos e apoia o trabalho dos professores.

O material ainda se encontra em fase de elaboração, mas pode, no futuro, ser utilizado, também em parceria com o MEC, de forma a beneficiar mais alunos, professores e diretores das diferentes redes públicas de ensino fundamental do Brasil.

O PROJETO TRILHAS O Projeto Trilhas é o maior e principal do Instituto Natura. Lançado em 2009, seu objetivo principal é desenvolver em crianças de seis anos as competências e habilidades de leitura e escrita. Em seus dois primeiros anos de atuação, 310 escolas públicas municipais receberam materiais desenvolvidos para apoiar os professores em atividades de leitura, escrita e oralidade. Em 2011, o Trilhas ganhou importância ao ser reconhecido pelo Ministério da Educação (MEC) como uma metodologia educacional eficaz que será implementada em 2012 como política pública. A partir de então nos tornamos parceiros para ampliar o projeto para dois mil municípios – cerca de metade do total do País, atingindo aproximadamente 72 mil escolas, 140 mil professores e mais de três milhões de crianças brasileiras. Para que isso seja possível, estruturamos duas frentes de trabalho: 1. A primeira, de impressão e distribuição dos materiais do projeto, está sob a responsabilidade do MEC, que iniciou esse processo no final de 2011. O papel do Instituto Natura foi de adaptação do conteúdo para crianças em fase de alfabetização (6 a 7 anos), para a política do PNBE (Política Nacional da Biblioteca Escolar) e para os padrões do Ministério da Educação; 2. O Instituto Natura é responsável pela segunda frente de atuação, que envolve a boa utilização do material por meio da Rede de Ancoragem de profissionais de educação. Essa Rede deve auxiliar na implementação do projeto Trilhas, incentivar o uso dos materiais em sala de aula e apoiar a formação dos professores nas escolas públicas. Seu principal papel será promover e dar suporte para disseminar os pilares conceituais e pedagógicos do projeto. A Rede de Ancoragem é formada pelos representantes do CONSED (Conselho Nacional de Secretários de Educação) e da UNDIME (União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação) e por professores universitários que adotam o papel de formadores estaduais. Além desses, participam, diretamente, quatro mil técnicos municipais e estaduais de educação nos encontros estaduais e, indiretamente por meio de formação continuada nos municípios e nas escolas, 100 mil diretores escolares e/ou coordenadores pedagógicos e 140 mil professores. Para o bom funcionamento da Rede de Ancoragem, estruturamos encontros que se dividem em: nacionais – que reúnem professores universitários e os representantes do CONSED e da UNDIME; estaduais – organizados pelos professores universitários com os representantes das Secretarias de Educação (técnicos municipais e estaduais de educação); municipais – realizados pelos representantes das Secretarias com os diretores e coordenadores das escolas; e escolares, feitos pelos diretores e coordenadores para os professores e que terão a periodicidade que a escola achar necessária. Como desdobramento do projeto, em 2012 o Instituto estuda junto ao MEC a possibilidade de o projeto ser ampliado para todas as escolas públicas de ensino fundamental do Brasil. Partindo da premissa de que cabe à educação básica a tarefa de construir bases sólidas para que os alunos participem criticamente da cultura escrita, iniciamos em 2011 o desenvolvimento do projeto Trilhas II. Ele surge como uma continuidade do Trilhas, para os anos subsequentes do ensino fundamental até chegar na Olimpíada de português, uma iniciativa da Fundação Itaú Social. Seu objetivo é promover o acesso à cultura escrita a partir de propostas que contribuam para o desenvolvimento e aprimoramento da leitura e da escrita ao mesmo tempo em que fornece instrumentos e apoia o trabalho dos professores. O material ainda se encontra em fase de elaboração, mas pode, no futuro, ser utilizado, também em parceria com o MEC, de forma a beneficiar mais alunos, professores e diretores das diferentes redes públicas de ensino fundamental do Brasil.


ESTAMOS AGUARDANDO A EFETIVAÇÃO DO PROJETO NA ESCOLA.










Nenhum comentário:

Postar um comentário

NOSSA ESCOLA É PIONEIRA NO PROJETO UCA EM SANTARÉM, DEIXE AQUI O SEU COMENTÁRIO E NOS AJUDE A MELHORAR O NOSSO BLOG. UM ABRAÇO ESPECIAL PRA VOCÊ.